Casos registrados "Abscesso Peritonsilar"
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)

Filtrar por palavras-chave:



Obtendo documentos. Espere, por favor...

11/78. rabdomiossarcoma alveolar que apresenta como um abcesso peritonsillar.

    Um rabdomiossarcoma da região da cabeça e da garganta é um neoplasma raro da infância que apresenta frequentemente com sintomas vagos que podem facilmente imitar outras doenças. Nós apresentamos um exemplo incomun de um rabdomiossarcoma alveolar do palato macio em uma criança de três anos, de que apresentada como um abcesso peritonsillar. ( info)

12/78. Fasciitis Necrotizing secundário ao abcesso peritonsillar: uma caixa nova e uma revisão de oito casos mais adiantados.

    O fasciitis Necrotizing é uma infecção potencial fatal do macio-tecido que ocorra somente raramente na região da cabeça e da garganta. os antibióticos parenteral do Largo-espectro e o desbridamento cirúrgico são os essenciais do tratamento. Até aqui, somente oito casos do fasciitis necrotizing secundários ao abcesso peritonsillar foram descritos na literatura de língua inglesa. Neste artigo, nós relatamos um caso novo que ocorra em uma mulher de outra maneira saudável dos anos de idade 43. Além do que o tratamento padrão, o paciente submeteu-se a um tonsillectomy quente. Após 23 meses da continuação, está na boa saúde. ( info)

13/78. Dilema diagnóstico no coinfection.

    Uma menina de quinze anos que pertence a um baixo status sócio-económico foi admitida com o abcesso peritonsillar causado pela febre áurea (MRSA), elevada resistente do staphylococcus do methicillin -, pela diarreia e por choque septicaemic. As culturas iniciais do sangue e o teste widal, as culturas do tamborete e a examinação rotineira do tamborete eram não contribuintes ao diagnóstico. Uma cultura da medula na segunda semana confirmou o diagnóstico da infecção dos typhi das salmonelas. A examinação de uma amostra de tamborete fresca mostrou quistos do histolytica do entamoeba. Foi tratada com o ciprofloxacin, o metronidazole, o augmentin e o ceftriaxone. Não teve nenhuma evidência clínica do immunosuppression antes deste episódio e seu teste do hiv era negativo. Este relatório do caso destaca a presença de infecção adquirida a comunidade de MRSA que causa o abcesso perititonsillar, e o dilema diagnóstico da febre e da diarreia devido ao coinfection com typhi das salmonelas e histolytica de Entamobea. ( info)

14/78. Pseudoaneurysm interno da artéria carotídea que masquerading como um abcesso peritonsillar.

    Os ferimentos arteriais carotídeos sem corte são raros. Os ruídos elétricos do veículo motorizado são a causa a mais freqüente, mas este tipo de ferimento vascular pode ser secundário a todo o sopro direto à garganta, ao traumatismo intraoral, ou ao strangulation. Os tipos dos ferimentos vasculares incluem a dissecção, o pseudoaneurysm, o thrombosis, a ruptura, e a formação arteriovenosa da fístula. Os pacientes com o pseudoaneurysm da artéria carotídea interna apresentarão geralmente com as queixas neurológicas, variando do menor ao curso completo. Na examinação física, o hematoma da garganta, os bruits, a massa pulsatile da garganta, ou uma emoção palpável podem ser encontrados. Entretanto, em 50% dos casos, nenhum sinal externo do traumatismo da garganta é observado. O início dos sintomas pode ocorrer dentro de algumas horas a diversos meses após o ferimento inicial. A angiografia é considerada a bandeira de ouro para o diagnóstico, mas o ultra-som carotídeo de Doppler tem sido mostrado recentemente para ser muito sensível em detectar estes tipos dos ferimentos. O tratamento do pseudoaneurysm é frequentemente cirúrgico, com stenting endovascular. ( info)

15/78. Fasciitis necrotizing cervical: fontes e resultados.

    FUNDO: Os abcessos da região peritonsillar estão entre os abcessos profundos os mais comuns da cabeça e da garganta. Entretanto, o fasciitis necrotizing cervical (CNF) associado com um abcesso peritonsillar é uma condição extremamente rara, com os somente 12 casos well-documented descritos. pacientes: Nós revimos e comparamos todas as 12 casos de CNF que levanta-se dos abcessos peritonsillar, incluindo nosso próprio caso. CNF que se tornou depois que os abcessos peritonsillar foram comparados igualmente com o aquele que se torna predominante após a infecção odontogenic. RESULTADOS: A mortalidade total era mais elevada no grupo com abcessos peritonsillar (33% contra 25%). CONCLUSÃO: É provável que de todos os casos de CNF, aquele que se levanta do abcesso peritonsillar tem o prognóstico o mais mau. ( info)

16/78. drenagem Ultra-som-guiada do abcesso peritonsillar pelo médico da emergência.

    O diagnóstico do abcesso peritonsillar (Pta) levanta um desafio aos médicos da emergência (EPs). A decisão para executar um procedimento invasor com as complicações potenciais é baseada no julgamento clínico que é frequentemente impreciso. Embora haja alguma menção do ultra-som intraoral na prática da otolaringologia, não há nenhuns na literatura da medicina da emergência (EM). Entretanto, esta aplicação da emergência da cabeceira da ecografia tem o potencial ser do uso considerável na prática do EM, e poderia permitir o EPs que adiou previamente a aspiração cega da agulha de um abcesso potencial para executar o procedimento ele mesmo. Nós relatamos os exemplos de 6 pacientes que apresentaram com Pta provável e foram avaliados com ultra-som intraoral na cabeceira por um EP. Todos os 6 pacientes se submeteram então à aspiração da agulha. Como diagnosticado no ultra-som, 3 dos pacientes tiveram aspirações negativas e foram diagnosticados com celulite peritonsillar. Três outro foram encontrados para ter a Pta, com orientação tempo real de exigência da agulha do ultra-som 2 para realizar a drenagem do abcesso após falhas múltiplas com a aproximação cega. ( info)

17/78. Infecções intratorácicas com a bacteriemia devido aos corrodens de eikenella como uma complicação de abcessos peritonsillar: relatório de um exemplo e de uma revisão da literatura.

    Um homem dos anos de idade 52, sem doença precedente, apresentou com disfagia, dispnéia, febre elevada e a garganta dorido após a drenagem peritonsillar dos abcessos. As examinações físicas e complementares eram consistentes com a pericardite, o mediastinitis, a pneumonia e o pleuritis. As culturas do sangue cresceram os corrodens de eikenella resistentes ao clindamycin e ao amikacin. Nós emfatizamos o potencial patogénico de corrodens de eikenella. Ao melhor de nosso conhecimento, este é o primeiro exemplo relatado deste organismo como um micróbio patogénico em infecções intratorácicas após a drenagem peritonsillar dos abcessos. ( info)

18/78. Abcesso peritonsillar agudo causado pelo haemolyticum de arcanobacterium.

    Um paciente é relatado com um abcesso peritonsillar que rende o haemolyticum de arcanobacterium. Este parece ser somente o quinto que tal caso descreveu na literatura médica e no primeira de Europa. O organismo foi relatado como uma causa ocasional do tonsillopharyngitis com prurido, assemelhando-se à infecção com streptococcus - pyogenes mas frequentemente sem resposta à terapia da penicilina. O haemolyticum do A. passa facilmente não reconhecido em culturas bacteriológicas em conseqüência de seu crescimento lento, aparência coryneform no Gram' mancha de s e atividade haemolytic fraca em meios convencionais do laboratório. ( info)

19/78. Abcesso de Parapharyngeal: diagnóstico, complicações e gerência nos adultos.

    O abcesso de Parapharyngeal pode causar complicações life-threatening. O abcesso Peritonsillar e o tonsillitis podem conduzir ao abcesso parapharyngeal. Desde a introdução de antibióticos, a incidência do abcesso parapharyngeal secundária ao tonsillitis e do abcesso peritonsillar diminuiu dramàtica. Nós apresentamos cinco casos do abcesso parapharyngeal resultando do tonsillitis e da infecção peritonsillar que estendem ao espaço parapharyngeal em pacientes adultos. Dois foram complicados pelo mediastinitis apesar do tratamento adiantado por antibióticos do espectro largo. Nós acreditamos que o diagnóstico adiantado e o tratamento antibiótico agressivo com drenagem cirúrgica adiantada nos casos associados com a coleção do pus são os pontos chaves em impedir complicações sérias e fatais. Nós emfatizamos o papel diagnóstico da varredura do tomography computarizado (CT) e a importância da drenagem adiantada e apropriada destes abcessos. ( info)

20/78. Corticosteroide e formação peritonsillar do abcesso no mononucleosis infeccioso.

    A formação Peritonsillar do abcesso é uma complicação rara do mononucleosis infeccioso (IM). O caso adiantado relata corticosteroide implicados no desenvolvimento de tais abcessos, entretanto, os estudos subseqüentes sugeriram que estas drogas não promovessem a formação de abcessos em diversos locais fora do sistema nervoso central. Tem-se demonstrado recentemente que os polisacáridos zwitterionic, em cápsulas bacterianas, dão forma a complexos com os linfócitos de CD4 ( ) T que conduzem à formação do abcesso. Um paciente é apresentado quem desenvolveu o abcesso peritonsillar alguns dias após a iniciação da terapia do corticosteroide para IM; a literatura médica foi revista respectivamente a este assunto. Parece que a ocorrência destes abcessos em IM não está lig fortemente ao tratamento do corticosteroide. Os autores, recomendam conseqüentemente que os esteróides não devem ser retidos dos pacientes com o IM severo na base que podem precipitar o desenvolvimento do abcesso peritonsillar. ( info)
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)<- Anterior || Próximo ->


Deixa uma mensagem sobre 'Abscesso Peritonsilar'


Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.