Casos registrados "Espasmo Hemifacial"
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)

Filtrar por palavras-chave:



Obtendo documentos. Espere, por favor...

1/78. O tratamento de Endovascular do espasmo hemifacial associou com uma malformação arteriovenosa cerebral usando o embolization transvenous: relatório do caso.

    OBJETIVO E IMPORTÂNCIA: Para ilustrar que a descompressão do nervo facial pelo tratamento endovascular transvenous pode aliviar o espasmo hemifacial (HFS) causado pelas veias dilatadas. APRESENTAÇÃO CLÍNICA: Um homem dos anos de idade 35 sofreu a direita crônica severa HFS associada com uma veia mesencephalic lateral direita dilatada que encontra-se à proximidade do nervo facial. Esta veia do nonessential foi recrutada como uma drenagem colateral secundária de uma malformação arteriovenosa temporo-occipital esquerda inoperável. INTERVENÇÃO: A veia mesencephalic lateral foi alcangada através da cavidade petrosal superior usando uma aproximação venosa transfemoral e fechada com bloqueio de bobinas destacáveis (Therapeutics do alvo, Freemont, CA). Havia uma remissão completa de HFS sem retorno após 2.5 anos de continuação. CONCLUSÃO: Este relatório do caso suporta a compressão vascular na patogénese de HFS e sugere que ferimento do nervo facial não seja essencial para o efeito terapêutico da descompressão cirúrgica. ( info)

2/78. espasmo hemifacial bilateral: um relatório de cinco casos e de uma revisão de literatura.

    Nós descrevemos cinco pacientes com o espasmo hemifacial bilateral avaliado em uma clínica das desordens de movimento para ilustrar as características clínicas e para extrair a atenção ao diagnóstico diferencial desta circunstância. Todos os pacientes tiveram o início unilateral seguido por contrações faciais bilaterais, assimétricas, e assíncronas. A idade média dos pacientes (4 mulheres e 1 homem) era 70.6 anos (escala, 54-81 anos), e a duração média dos sintomas era 17 anos (escala, 2-30 anos). Contrair-se do facial começou na pálpebra esquerda em todos os casos e o lado oposto da cara começou a contrair-se mais tarde nos 8.4 anos médios (escala, 0.2-15 anos). Os estudos da imagem latente revelaram artérias vertebrobasilar tortuosas em três pacientes. Quatro pacientes foram tratados com sucesso com as injeções botulinum da toxina. O espasmo hemifacial bilateral é uma desordem rara, perifèrica induzida que deva ser diferenciada do tics, da distonia que incluem o blepharospasm e da outra distonia craniana, e outras discinesias faciais. A injeção Botulinum da toxina parece ser o tratamento da escolha. ( info)

3/78. Relacionamento entre desordens cochleovestibular no espasmo hemifacial e a compressão neurovascular.

    OBJETIVO: Para investigar a evolução de sintomas cochleovestibular antes, durante, e após da descompressão microvascular (MVD) do nervo facial no espasmo hemifacial. PROJETO DO ESTUDO: Estudo em perspectiva nos pacientes com espasmo hemifacial. Entre nossos 13 pacientes que se submeteram a MVD do nervo facial de 1995 a 1997, 6 tinham associado as desordens cochleovestibular confirmadas por testes neurotologic. RESULTADOS: Em quatro destes pacientes, uma compressão concomitante do oitava e os nervos faciais foram encontrados na cirurgia. A angiografia pré-operativa da ressonância magnética estuda tinha mostrado três casos desta compressão neurovascular dobro. A monitoração auditiva intraoperativa da resposta do brainstem mostrou que a interposição do Teflon entre a embarcação e o nervo facial era altamente - crítico à função auditiva. A monitoração auditiva da resposta do brainstem foi usada para guiar o cirurgião durante esta fase crítica. A cirurgia melhorou pelo menos um sintoma cochleovestibular em cada paciente. CONCLUSÕES: Os autores propor duas hipóteses patofisiológicas. Primeiramente, os sintomas faciais e cochleo-vestibular concomitantes podem ser devido a uma hiperactividade dos núcleos faciais e vestibular. De acordo com teorias sobre o espasmo hemifacial cryptogenic, a origem desta hiperactividade podia ser um foco ectopic da excitação. Entretanto, os dois nervos podem ter locais diferentes da excitação ectopic. De acordo com a segunda hipótese, uma compressão pulsatile do nervo facial pode ser transmitida ao oitavo nervo. Isto poderia ocorrer mesmo se somente o nervo facial é em contacto com um laço vascular. ( info)

4/78. ependimoma do quarto ventrículo que apresenta com espasmo hemifacial. Relatório de um caso.

    De acordo com Gardner' a hipótese de s (1962) confirmada mais tarde por Jannetta (1982, 1985), espasmo hemifacial pode geralmente ser relacionada a um " conflict" vascular; qual ocorre dentro do ângulo do cerebellopontine (CPA). Ocasionalmente, a lesão causal pode ser identificada como uma massa que encerra o nervo facial em sua zona da saída da raiz (REZ) da haste de cérebro. O espasmo hemifacial foi relatado raramente na presença de uma massa contralateral de CPA (" sign" de localização falso;). O espasmo hemifacial nos pacientes com massas em regiões anatômicas diferentes do CPA tem que ser considerado excepcional. O exemplo de um homem adulto que abriga um ependimoma do quarto ventrículo cujo o único sinal neurológico era um espasmo hemifacial esquerdo é relatado. A raridade de tal circunstância alertou-nos rever a literatura. A atenção particular foi pagada aos mecanismos patogenéticos possíveis e a suas implicações terapêuticas. ( info)

5/78. Gabapentin como o tratamento para o espasmo hemifacial.

    O espasmo hemifacial, life-long uma circunstância caracterizada por contrações unilaterais involuntários dos músculos faciais, é uma desordem de desabilitação que resulta frequentemente dentro - irritação paciente e embaraço social. Sua etiologia provável é compressão neurovascular do nervo facial em sua zona da saída da raiz. O tratamento médico atual consiste baclofen ou droga de anticonvulsivo, com a limitação devido aos efeitos secundários ou à baixa eficácia. A injeção nos últimos anos botulinum da toxina e a descompressão microvascular do nervo facial foram mostradas para ser altamente - bem sucedidas. Entretanto, ambos os procedimentos compartilham de algumas complicações e exigem técnicas especiais. Nós apresentamos 5 pacientes afetados pelo espasmo hemifacial que respondeu bem ao gabapentin novo da droga de anticonvulsivo. Gabapentin foi administrado em uma dose que varia de 900 a magnésio 1.600 diariamente, com melhoria rápida e desobstruída dos espasmos e ausência de todos os efeitos adversos notáveis. Nossos resultados sugerem que o gabapentin possa ser um tratamento eficaz para pacientes com espasmo hemifacial com uma relação muito boa de efeitos terapêuticos aos efeitos secundários quando comparado com outras drogas usadas atualmente. ( info)

6/78. neuralgia de trigeminal Familial e espasmo hemifacial contralateral.

    Um paciente foi avaliado com o neuralgia de trigeminal familial (TN) e espasmo hemifacial contralateral. A mãe do paciente, 5 de 10 irmãos, e 1 sobrinho igualmente tiveram o TN confirmados por neurologists. A transmissão do TN era sugestivo de uma herança dominante autosomal. Esta família fornece a evidência adicional de uma base genética para o TN em casos selecionados e igualmente provoca uma especulação mais adicional em uma hipótese unificador comum da patofisiologia em rhizopathies cranianos. ( info)

7/78. Dano glaucomatous unilateral em um paciente com espasmo hemifacial.

    Nós relatamos um paciente com espasmo hemifacial do hemiface direito e da neuropatia ótica glaucomatous ipsilateral. Nenhum factor de risco foi encontrado para explicar a glaucoma unilateral. As leituras da pressão da ocular estavam sempre dentro da escala normal. ( info)

8/78. SR. sagital oblíquo Postoperative imagem latente da descompressão microvascular para o espasmo hemifacial.

    A imagem latente sagital oblíqua pré-operativa e postoperative da ressonância magnética do inclinação-eco (SR.) foi usada para avaliar a descompressão micro-vascular dos nervos faciais em 26 pacientes com espasmo hemifacial. O SR. pré-operativo imagens foi dividido em dois grupos como segue: 22 imagens no grupo eu, a imagem latente desobstruída de uma linha high-intensity e/ou o ponto na raiz retiram a zona (REZ) do nervo facial; e 4 no grupo II, e imagem incerta em torno do REZ. A cirurgia encontrou que a embarcação causal era a artéria vertebral (VA) em 9 casos e a artéria cerebelar inferior anterior (AICA) ou a artéria cerebelar inferior do posterior (pica) em 13 casos no grupo mim, e o AICA ou o pica nos 4 casos no SR. Postoperative imagem latente do grupo II. mostraram a descompressão desobstruída como a linha e/ou o ponto high-intensity separados completamente do REZ por uma área low- e/ou do iso- da intensidade em 9 casos da compressão do VA reposicionados à matéria pétrea do dura, em 11 casos da compressão do pica ou do AICA tratados por pledgets shredded do Teflon no grupo mim e em 3 casos no SR. Postoperative do grupo II. a imagem latente mostrou um incompleto separação de alguns linha e/ou ponto high-intensity no REZ em 2 casos da compressão do pica ou do AICA no grupo mim e em um no grupo II. O resultado era excelente em 22 de 23 casos com descompressão desobstruída, e em 1 de 3 casos da descompressão obscura. O espasmo hemifacial persistiu em 3 casos. O SR. sagital oblíquo imagem latente do inclinação-eco é um método útil para a continuação postoperative que pode demonstrar mudanças em torno do REZ do nervo facial se o espasmo hemifacial retorna. ( info)

9/78. espasmo hemifacial causado por um astrocytoma pilocytic do quarto ventrículo.

    Um macho dos anos de idade 11 em quem o espasmo hemifacial era o sinal de apresentação de um astrocytoma pilocytic dentro do quarto ventrículo é relatado. O child' o espasmo hemifacial de s diminuiu substancialmente após o resection do tumor. O espasmo hemifacial é pela maior parte uma doença dos adultos e é atribuído somente raramente aos tumores cerebrais. Ao contrário, isto marca o quinto exemplo do espasmo hemifacial relatado em uma criança, três de que foram atribuídos aos tumores do quarto ventrículo. ( info)

10/78. Escorando o método para o espasmo hemifacial associou com a artéria vertebral: nota técnica.

    OBJETIVO: Nós descrevemos um método fácil e útil para tratar o espasmo hemifacial relativo à artéria vertebral. MÉTODOS: A técnica envolve a manufatura de uma correia dural colhida do dura cerebelar da convexidade e de uma ponte dural feito no dura pétreo combinado com o uso de um grampo do aneurysm. A correia dural prende a artéria vertebral e está escorada à ponte dural pela fixação com um grampo do aneurysm depois que a artéria vertebral é transpor a uma posição apropriada. RESULTADOS: A técnica provou ser segura e eficaz em uma série de seis pacientes com espasmo hemifacial que foram continuados por um período de 2 meses a mais de 10 anos após a cirurgia. Todos os pacientes eram afetados no lado esquerdo. As artérias de ofensa múltiplas estavam atuais em três casos. O espasmo hemifacial desapareceu completamente em todos os pacientes. CONCLUSÃO: Este método representa uma opção praticável para o tratamento do espasmo hemifacial causado por uma artéria vertebral tortuosa, alongada, ou ampliada. ( info)
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)| Próximo ->


Deixa uma mensagem sobre 'Espasmo Hemifacial'


Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.