Casos registrados "Colangite"
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)

Filtrar por palavras-chave:



Obtendo documentos. Espere, por favor...

1/440. colangite auto-imune em um paciente com doença celíaca: um relatório do caso e uma revisão da literatura.

    A colangite auto-imune é uma infecção hepática cholestatic crônica rara. Nós descrevemos o exemplo de uma mulher dos anos de idade 65 com doença celíaca que nos apresentou com perda da febre, da icterícia e de peso. O estudo bioquímico do soro mostrou aumento marcado em níveis da fosfatase alcalina e do gammaGT. Os anticorpos antinucleares eram positivos, quando os anticorpos antimitochondrial e do anti-liso-músculo eram negativos. A biópsia do fígado era compatível com colangite auto-imune preliminar. O paciente foi tratado com sucesso com o azathioprine e o methylprednisolone. Nós descrevemos aqui a associação rara da colangite auto-imune com doença celíaca e revemos a predominância de infecções hepáticas nos pacientes com doença celíaca. ( info)

2/440. carcinoma hepatocelular com teste padrão fibrolamellar em um paciente com colangite auto-imune.

    Uma mulher dos anos de idade 75 com uma história de 15 anos da colangite auto-imune submeteu-se à transplantação orthotopic do fígado por causa da descompensação progressiva do fígado. Uma carcinoma hepatocelular clìnica insuspeita foi encontrada. Uma parcela do tumor mostrou a diferenciação fibrolamellar. A carcinoma hepatocelular, com o teste padrão usual ou com um teste padrão fibrolamellar, é rara no ajuste da cirrose biliar preliminar, mas foi considerada no ajuste da hepatite auto-imune. A colangite auto-imune é um formulário relativamente recentemente reconhecido da infecção hepática auto-imune cuja a associação com carcinoma hepatocelular tem ser determinada ainda. ( info)

3/440. Conversão negativa do anticorpo antimitochondrial na cirrose biliar preliminar: um exemplo da colangite auto-imune.

    A colangite auto-imune é uma constelação clínica de colestase crônica, de mudanças histológicas da colangite nonsuppurative crônica e da presença de autoantibodies diferentes do anticorpo antimitochondrial (AMA). É incerta se esta entidade é definitivamente diferente da cirrose biliar preliminar positiva de AMA (PBC), embora mostra algumas diferenças. Nós relatamos um exemplo da colangite auto-imune em uns 59 a mulher dos anos de idade que, que tinha sido diagnosticada previamente como PBC AMA-positivo associado com a artrite rheumatoid, foi convertida a um AMA-negativo e a um anticentromere PBC anticorpo-positivo durante a continuação. A resposta ao tratamento ácido ursodeoxycholic é pobre exceto dentro dos meses primeiros, mas o prednisolone deixava cair os dados bioquímicos do laboratório. ( info)

4/440. Deficiência orgânica de Hepatobiliary como a manifestação inicial do cryptococcosis disseminado.

    Um exemplo da deficiência orgânica hepatobiliary como a manifestação inicial do cryptococcosis disseminado é descrito. O paciente foi admitido com sintomas da hepatite com icterícia cholestatic. Os testes do anticorpo para a hepatite b e C e o vírus de imunodeficiência humana eram negativos. O paciente continuou a deteriorar-se clìnica. Eventualmente, o paciente succumbed à falha hepatic. A autópsia divulgou o cryptococcosis sistemático que causou a necrose extensiva do fígado. Na revisão da literatura, somente nove casos da infecção cryptococcal que apresentam como a hepatite, a colangite, e a colecistite como a manifestação inicial foram relatados. Quatro destes pacientes tinham sido sujeitados à laparotomia exploratória para a suspeita clínica do abdômen agudo. Um paciente desenvolveu a cirrose em conseqüência da hepatite cryptococcal. Dois pacientes succumbed à falha hepatic. O Cryptococcosis é sabido para ocorrer geralmente em pacientes immunocompromised, contudo somente dois relataram os casos que apresentam enquanto a hepatite foi associada com o status immunocompromised. ( info)

5/440. Recuperação prolongada após lobectomy hepatic direito prolongado em um paciente com ferimento de fígado e dilaceração sem corte severos da veia oca. Um relatório do caso com referências especiais ao autotransfusion e complicações da descompressão biliar.

    Um paciente com ferimento de fígado e dilaceração sem corte severos da veia oca quem se submeteu a um lobectomy hepatic direito prolongado bem sucedido é relatado. O uso da unidade do autotransfusion conservou o paciente do exsanguination. Seu curso postoperative foi complicado pela falha renal e hepatic, pelo escapamento da bilis, e pela icterícia persistente devido à colangite. A drenagem choledochal prolongada através do T-tube actuou obviamente como uma fonte de infecção. O uso do autotransfusion, a drenagem choledochal e o sincronismo apropriado de sua remoção, o tratamento de lesões ocas da veia e a icterícia devido à colangite nos pacientes com traumatismo severo do fígado são discutidos. ( info)

6/440. Crise sickling Hepatic que imita a colangite periódica.

    Um homem dos anos de idade 22 com doença de pilha de sickle homozygous apresentou com febre periódica, dor do quadrante superior da direita e icterícia. A biópsia do fígado confirmou o diagnóstico da crise sickling hepatic; os sintomas responderam à terapia do hydroxyurea. A crise vasocclusive Hepatic pode diagnosticado na biópsia do fígado, e não precisa de ser um diagnóstico da exclusão. ( info)

7/440. Icterícia obstrutiva e colangite aguda devido ao stenosis papillary.

    O stenosis Papillary é caracterizado por fibrose fixa que conduz à obstrução estrutural da saída e é geralmente secundário à inflamação e à fibrose da passagem crônica dos cálculos biliares, episódios da pancreatitie aguda, da pancreatitie crônica, da colangite sclerosing, da doença da úlcera peptic, e do cholesterolosis. Entretanto, icterícia obstrutiva com ou sem colangite aguda que conduz o médico suspeitar a presença de malignidade porque uma causa é uma manifestação rara do stenosis papillary. Nós relatamos aqui um exemplo do stenosis papillary que apresenta com icterícia obstrutiva e colangite aguda. A lesão era tão difícil excluir preoperatively a presença de malignidade e aquela uma piloro-preservação pancreaticoduodenectomy foi executada intraoperatively. A examinação Histologic do espécime resected revelou a fibrose, a hiperplasia ductal adenomatóida, e a inflamação crônica suave do papilla de Vater e do colagogo comum longe do ponto de origem. ( info)

8/440. Relatório do caso: dois casos do papillomatosis biliar com associações incomuns.

    Papillomatosis que levanta-se da árvore biliar é uma entidade reconhecida mas rara do poço. Nós encontramos dois pacientes com esta circunstância. Entretanto, um deles tinha associado a carcinoma hepatocelular e a cirrose e a outro tiveram a colangite pyogenic periódica concomitante. A nosso conhecimento, estas associações não têm sido relatadas antes. Nós, apresentamos conseqüentemente estes problemas clínicos e destacamos a dificuldade adicionada na gerência destes pacientes. ( info)

9/440. hiperplasia de Adenomyomatous do papilla de Vater: Um sequela do papillitis crônico?

    Um exemplo da hiperplasia adenomyomatous do papilla de Vater é descrito. A lesão apresentada como um tumor polypoid pequeno que projeta-se no lúmen duodenal, causando a obstrução e a dilatação do colagogo comum. O secção transversal de série do ampulla mostrou o engrossamento difuso da camada muscular que corresponde a Oddi' sphincter de s, com redução resultante do lúmen. Muitos componentes ductal ou glandular foram dispersados dentro da mucosa e da camada muscular e misturados com com linfócitos, alguns agregados lymphoid, e fibrose. Baseou ambos na ausência de atypia celular e a presença de inflamação, de fibrose, e de preservação da arquitetura normal do ampulla, nós favorecemos a interpretação que esta lesão hyperplastic representa um sequela do papillitis crônico. Os diagnósticos diferentes para esta lesão são apresentados junto com uma revisão da literatura. ( info)

10/440. gravidez bem sucedida em uma mulher com cirrose biliar secundária com hipertensão portal da colangite pyogenic periódica. Um relatório do caso.

    FUNDO: A gravidez nas mulheres com a cirrose biliar secundária devido à colangite pyogenic periódica é extremamente rara. Pouca informação está disponível no efeito da gravidez na doença e reciprocamente. CASO: Um paciente que estivesse com a cirrose biliar secundária devido à colangite pyogenic periódica complicou pela hipertensão do splenomegaly e do portal teve uma gravidez bem sucedida. Embora tivesse uma história do sangramento variceal esofágico antes desta gravidez, não havia nenhum tal sangramento durante a gravidez. Teve um curso pré-natal uneventful salvo que seu nível da enzima do fígado flutuou ligeiramente. O nível da bilirrubina do soro aumentou durante o terceiro trimester da gravidez mas retornou ao nível prepregnant após a entrega. CONCLUSÃO: A terminação da gravidez não pode ser a única opção para a gerência. O protocolo da gerência para pacientes com a cirrose biliar preliminar que complica a gravidez, que inclui a fiscalização e a monitoração fetal regulares da função de fígado materna, deve ser considerado para mulheres gravidas com cirrose biliar secundária. ( info)
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)| Próximo ->


Deixa uma mensagem sobre 'colangite'


Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.