FAQ - ataxia de friedreich
(Powered by Yahoo! Answers)

Existe algum tratamento/remédio para Ataxia Cerebelar do Tipo Tardio? Vc conhece algum site sobre isso?


Meu pai está com isso e fez ressonância, acusando então Leucoararisose.
----------

ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE EM PROL DOS PORTADORES DE ATAXIA:
http://www.persocom.com.br/ABPAT/

ATAXIANET:
http://br.geocities.com/ataxianet/

http://www.biobras.com.br/adam/encyclopedia/ency/article/003198.htm

Leucoaraiose:
http://www.ivdn.ufrj.br/kb_ivdn_v01_03_Doencas_02_dcv_01.htm
http://br.geocities.com/hospitaldoandarai/dicas/terceira_idade/dicas_3i.html

"Binttencourt, Troiano e Collares (2005), descrevem a Doença Machado-Joseph como uma ataxia cerebelar hereditária, causada por uma repetição de três letras no código genético (DNA) em um gene do cromossomo 14q. Esta tem um início tardio e herança autossômica dominante. Embora uma única anormalidade genética tenha sido descrita, quatro aspectos fenotípicos distintos são conhecidos (tipos 1 a 4). O tipo 4 apresenta parkinsonismo associado a sinais cerebelares e amiotrofia distal de início entre a sexta e sétima década de vida. Por este motivo, a presença de sinais parkinsonianos associados a sinais cerebelares e amiotrofia distal de início tardio, em paciente descendente de açorianos, principalmente havendo história familiar francamente positiva, deve sinalizar o provável diagnóstico de doença de Machado-Joseph. Devido a crescente miscigenação observada em nossa sociedade, não será raro encontrarmos pacientes com esta condição, ostentando nomes germânicos ou italianos.
Os autores ainda salientam que para a DMJ não há tratamento eficaz, embora se tenha descrito alívio temporário dos sintomas parkinsonianos. Contudo, todos os pacientes deveriam ser encorajados a seguirem programa fisioterápico. Desta maneira vivencia-se o paradoxo do surgimento de novos sintomas, a despeito de boa responsividade terapêutica. Como exemplo disso, sintomas tais como disautonomias (hipotensão postural, disfunção sexual, transtornos esfincterianos e gastrointestinais), dor, quedas, acatisia (incapacidade de permanecer parado), distúrbios do sono e demência. A maioria destes sintomas é conseqüente à degeneração do sistema motor. E ainda revelam: esta anomalia provoca movimentos desequilibrados e desordenados implicando em alterações na fala, gestos, equilíbrio e marcha. Levando em conta todos os efeitos que essas doenças provocam na pessoa, incluindo dificuldades em executar atividades diárias e o preconceito social, a prática de atividade física é de suma importância para o tratamento e enfrentamento das mesmas.
Diante do exposto acima podemos salientar a imprescindibilidade da participação dos portadores tanto da Doença de Parkinson quanto da Doença Machado Joseph em programas fisioterápicos, bem como, em atividades físicas."

http://parkfloripa.blogspot.com/2006_02_01_archive.html  (+ info)

Alguém sabe de uma doença no reto que causa um chiado?


Minha sogra tem atáxia degenerativa, uma doença inversível, e ela anda reclamando de um chiado com incômodo no reto, ela foi ao médico que indicou o ginecologista, e o ginecologista indicou outro, e nisso fica jogando de médico para médico, minha sogra é muito doente, ai não sei se esse chiado no reto é causado pela atáxia.

Quem poder me ajudar eu agradeço.

Não fassa piadas pois é serio!!!

Bjossssssss Ale.
----------

ALE LEVE SUA SOGRA AO GASTROENTEROLOGISTA E COM CERTEZA IRA DESCOBRIR O QUE SUA SOGRA TEM POIS EU TENHO UMA DOENCA BEM COMPLICADA QUE SO UM GASTRO DESCOBRIU. O MEU PROBLEMA E CROHN MAIS EXISTEM VARIAS OUTRAS DOENÇAS COMO TAMBEM A RETOCOLITE.PROCURE TAMBEM NO ABC DA SAUDE SOBRE DOENÇAS INTESTINAIS. BOA SORTE

DRYKAFERREIRA  (+ info)

Quais remédios podem causar ototoxicidade?


o que é ataxia e osciloscopia?

Quais são os nomes do hormônios?
APÓS APLICAÇÃO TÓPICA DE SULFATO DE NEOMICINA, ESPECIALMENTE EM AMPLAS ÁREAS DA PELE OU EM CASOS ONDE A PELE FOI SERIAMENTE LESADA, REPORTOU-SE QUE A ABSORÇÃO DA DROGA CAUSA EFEITOS SISTÊMICOS INDESEJÁVEIS, TAIS COMO OTOTOXICIDADE E NEFROTOXICIDADE.
Betametasona é hormonio?
----------

Vanessa.

Nas pesquisas que fiz encontrei drogas otóxicas, descrito abaixo, um resumo e indiquei o site.


DROGAS OTOTÓXICAS

1. CONCEITO

As ototoxicoses são afeções iatrogênicas provocadas por drogas medicamentosas que alteram o ouvido interno (labirinto). Essas drogas podem afetar o sistema coclear ou o sistema vestibular ou ambos, alterando duas funções importantes do organismo: a audição e o equilíbrio.

2. FISIOPATOLOGIA :

Dos grupos de drogas ototóxicas, os antibióticos aminoglicosídeos são talvez os mais importantes, sem dúvida os mais estudados. Alguns autores concluíram que estes antibióticos combinam com receptores das membranas das células ciliadas do órgão de Corti, da mácula sacular e da utricular e das cristas do sistema vestibular. Esses receptores são os polifosfoinosítideos, são Iípides componentes da membrana celular com papel importante nos eventos bioelétricos e na permeabilidade da membrana por interação com íon cálcio. A formação de complexos entre os antibióticos aminoglicosídeos e os polifosfoinosítideos produz modificações na fisiologia da membrana e na sua permeabilidade, acabando por afetar a estrutura e função dos cílios, em primeiro lugar, e depois da própria membrana e, finalmente, por causar destruição das células receptoras (Schacht, 1977).

3. AGENTES ETIOLÓGICOS - MEDICAMENTOS OTOTÓXlCOS

É importante conhecer os diferentes tipos de drogas que podem provocar ototoxicidade, para sua prevenção. Nos primeiros tratamentos de Sífilis com mercúrio já se podia ser detectado lesões ototóxicas. Há descrições de casos com desenvolvimento de surdez, tremores e "loucura", sugerindo tanto oto como neurotoxidade. Entre elas está o grupo dos antibióticos aminoglicosídeos, como a estreptomicina, a diidroestreptomicina, a neomicina, a canamicina A e B, a paramomicina, a aminosidina, a gentamicina, a amicacina, a tobramicina, a netilmicina. Desse grupo, estreptomicina, tobramicina, gentamicina são mais vestibulotóxicos que cocleotóxicos; os outros são mais cocleotóxicos. Alguns antibióticos não aminoglicosídeos têm sido citados na literatura como ototóxicos. São eles: a eritromicina, com efeitos reversíveis; o cloranfenicol, principalmente por ação tópica; a ampicilina; a minocilina, derivado da tetraciclina com ação vestibulotóxica; a cefalosporina, com poucas referências; a viomicina; a capreomicina, com maior toxicidade vestibular; a polimixina B e E; a colistina. Existem alguns grupos de drogas ototóxicas que não são antibióticos; é o caso de desinfetantes, como clorexidlne, benzetônio, benzalcônio, iodo, iodine, iodoforo e álcoois, como etanol e propilenoglicol. Essas drogas são usadas as vezes como desinfetantes em cirurgias do ouvido médio para assepsia e podem provocar ototoxicidade por ação local. Existe o grupo dos b-bloqueadores, como practolol e propanolol, com referências de alterações cocleares com perda auditiva. Diuréticos, como o ácido etacrínico, a furosemida, a bumetanida, a piretamida e a indapamida, são cocleotóxicos mas as alterações auditivas são reversíveis. Essas drogas não são vestibulotóxicas; entretanto potenciar a ação dos aminoglicosídeos. Drogas antiinflamatórios, como salicilatos, aspirina, quinino, podem provocar alterações auditivas, a cocleotoxicidade dos salicilatos e da aspirina reversível. Antineoplásicos podem ser ototóxicos, como é o caso da cisplatina, da mostarda nitrogenada e da vincristina. Essa cocleotoxicidade pode ser reversível ou irreversível. Os contraceptivos orais podem provocar em alguns casos perdas auditivas uni ou bilaterais progressivas e irreversíveis (Oliveira,1989).

4. QUADRO CLÍNICO

4.1- DIAGNÓSTICO:

Devemos ressaltar que é de suma importância a história médica do paciente. Na anamnese, quando há antecedentes de tratamento com essas drogas, o diagnóstico torna-se muito fácil. As vezes, a utilização da droga pode ser suspeitada de modo indireto, quando o paciente ou os familiares informam que após infecção séria houve tratamento com antibiótico, cujo nome não sabem referir, e que após esse tratamento ocorreram perda auditiva, vertigens e desequilíbrio. O aparecimento da perda auditiva pode ser rápido ou insidioso, podendo ocorrer durante a exposição a um agente ototóxico ou meses depois da mesma ter sido interrompida. A perda pode ser precedida ou acompanhada por um tinitus agudo. Se o sistema vestibular for danificado, o paciente pode referir tontura e marcha oscilante. O grau inicial da perda pode ser instável. Por exemplo, depois que a exposição tenha cessado, a perda auditiva pode recuperar-se para os limiares normais e em outros casos pode progredir para um grau mais severo. Devemos pesquisar o início, sintomas no momento, história médica e cirúrgica, medicações, exposição anterior a ototóxicos, etc. É importante relembrar que em pacientes acamados a ataxia típica e a osciloscopia não ocorrem, diferentemente dos pacientes ambulatoriais. O quadro clínico é o de uma labiríntopatia periférica e o paciente pode apresentar sintomas e sinais relacionados com lesão coclear, como hipoacusia, zumbidos de alta freqüência e plenitude auditiva ou sintomas e sinais relacionados com a função vestibular, especialmente vertigens, desequilíbrios, nistagmo e manifestações neurovegetativas. A alteração auditiva, bem como a disfunção vestibular, pode ser unilateral ou bilateral (Oliveira,1990).


Ataxia reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo.

osciloscopia -ilusão visual de moviemto para frentre e para trás.


Vanesa abaixo um resumo sobre betametasona e indiquei o site.



IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
Mantecorp Indústria Química e Farmacêutica Ltda
CELESTONE®
betametasona

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

CELESTONE é indicado para uso oral.


CELESTONE Comprimidos 0,5 mg apresenta-se em embalagens com 20 comprimidos.

CELESTONE Comprimidos 2 mg apresenta-se em embalagens com 10 comprimidos.

CELESTONE Gotas apresenta-se em frascos de 15 ml.

CELESTONE Elixir apresenta-se em frascos de 120 ml.

CELESTONE 0,5 mg - Cada comprimido contém 0,5 mg de betametasona .

Componentes inativos: lactose , amido de milho , gelatina , estearato de magnésio e corante FDC azul nº 1.

CELESTONE 2 mg - Cada comprimido contém 2 mg de betametasona .

Componentes inativos: lactose , amido de milho , gelatina e estearato de magnésio.

CELESTONE Gotas - Cada ml (26 gotas) contém 0,5 mg de betametasona (equivalente a 1 comprimido de 0,5 mg).

Componentes inativos: ácido cítrico, fosfato de sódio dibásico, edetato dissódico, benzoato de sódio, sacarose , sorbitol , propilenoglicol , aroma creme de chocolate , aroma artificial de laranja e água.

CELESTONE Elixir - Cada 5 ml (1 colher de chá) contém 0,5 mg de betametasona (equivalente a 1 comprimido de 0,5 mg).

Componentes inativos: propilenoglicol , cloreto de sódio, benzoato de sódio, sorbitol , ácido cítrico, corante FDC amarelo nº 6, álcool etílico, aroma artificial de laranja, aroma artificial de cereja , sacarose e água.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

CELESTONE produz um potente efeito antiinflamatório, anti-reumático e antialérgico no tratamento de doenças que respondem aos corticosteróides.

POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?

CELESTONE serve para várias doenças das glândulas; dos ossos e músculos; do colágeno; da pele; alérgicas; dos olhos; respiratórias; do sangue; em mucosas e outras doenças sensíveis ao tratamento com corticóides (substâncias usadas como antiinflamatórios).

Você deve usar CELESTONE juntamente com os outros medicamentos prescritos pelo seu médico, e não em substituição a eles.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

CONTRA-INDICAÇÕES
Não utilize CELESTONE se você tem infecções por fungos que afetam todo o organismo, reação alérgica à betametasona e a outros corticosteróides ou a qualquer um dos componentes da fórmula deste produto.

ADVERTÊNCIAS
Pode ocorrer insuficiência supra-renal secundária quando houver retirada rápida de CELESTONE. Esta insuficiência pode ser evitada mediante a redução gradativa da dose. A insuficiência supra-renal poderá persistir por meses após a interrupção da terapia. Entretanto, se durante esse período ocorrer uma situação de sobrecarga ou de estresse, seu médico deverá restabelecer o tratamento com corticosteróide. Se você já estiver sob tratamento com corticosteróide, seu médico poderá indicar um aumento da dose. Como a produção de mineralocorticóides pode estar comprometida, recomenda-se o uso conjunto de sódio e/ou agentes mineralocorticóides.

CELESTONE pode mascarar alguns sinais de infecção e novas infecções podem ocorrer. Durante a sua utilização, pode haver diminuição da resistência e incapacidade em localizar a infecção.

O uso prolongado de CELESTONE pode causar: catarata subcapsular posterior (doença nos olhos), principalmente em crianças; glaucoma , com possibilidade de dano ao nervo óptico e ativação de infecções oculares por fungos e vírus.

Doses elevadas de CELESTONE podem causar elevação da pressão arterial (pressão alta); retenção de sal e de água e aumento da perda de potássio. Você deve considerar a adoção de uma dieta com pouco sal e a suplementação de potássio, durante o tratamento com CELESTONE. Todos os corticosteróides aumentam a excreção de cálcio.

Se você está em tratamento com CELESTONE, não deverá ser vacinado contra varíola e nem receber ou  (+ info)

Que doença será? Dê a sua opinião?


Oi

Vou apresentar vários sintomas , de um paciente , vamos chama-lhe de Paciente X.

O Paciente X , tem os seguintes sintomas:

- Ataxia (os membros superiores e inferiores movimentam-se e tremem involuntariamente)
- Movimentos irregulares dos olhos.
- Dificuldade na pronunciação das palavras.
- Disfunção sexual e urinária.
- Depressão.
- Dificuldades de memória.
- Espasmos musculares.
- Sensação de "choques electricos" no pescoço.

Dê a sua opinião e faça o seu próprio diagnóstico e partilhe comigo!
Obrigada (:
----------

Seu paciente tem sintomas de ser usuário de drogas, esta em crise de abstinencia !!!  (+ info)

Você acha que foi um cheque mate no tratamento atual com células tronco ou o quê?


Da Revista Época de 20/2/2009:
"...
Reprodução
CRISTIANE SEGATTO
Repórter especial, faz parte da equipe de ÉPOCA desde o lançamento da revista, em 1998. Escreve sobre medicina há 14 anos e ganhou mais de 10 prêmios nacionais de jornalismo.

O que a palavra células-tronco desperta em você? A maioria das pessoas aprendeu a associá-la à esperança. As células-tronco parecem pertencer apenas ao universo das boas notícias, das histórias de perspectiva de cura, de avanço científico, de criatividade transformadora. Mas a realidade começa a mostrar que elas também podem produzir decepção e dor.

Um estudo perturbador foi publicado nesta semana no periódico científico PLoS Medicine. Pela primeira vez, cientistas comprovaram que um implante de células-tronco gerou um tumor cerebral.

Um garoto de origem marroquina que mora em Israel participou de uma experiência com células-tronco na Rússia em 2001. Aos 9 anos, ele foi levado pela família a Moscou. Os pais tinham a esperança de reverter uma doença neurológica degenerativa chamada de ataxia-telangiectasia. É uma enfermidade terrível, que provoca tremores, paralisia e morte.

As células-tronco extraídas de fetos abortados (e não de embriões de cinco dias) foram colocadas diretamente no cérebro do garoto durante uma neurocirurgia. Também foram injetadas em sua medula espinhal em outros procedimentos realizados em 2002 e 2004.
A experiência não produziu nenhum benefício – apenas frustração. A doença continuou progredindo. E o adolescente ainda teve de enfrentar uma cirurgia delicada para retirada de um tumor cerebral. Por sorte, ele era benigno. Outras lesões menores também foram identificadas no cérebro. Nenhuma delas era maligna. Mas poderiam ser.

Os tumores foram analisados geneticamente. Os pesquisadores descobriram que eles eram diferentes do padrão genético do garoto. Ou seja: só podem ter sido originados das células-tronco extraídas dos fetos.

“Nossa descoberta não significa que a pesquisa com células-tronco para uso terapêutico deva ser abandonada”, escreveu a autora do trabalho, Ninette Amariglio, da Universidade de Tel-Aviv, em Israel. “Significa que é preciso fazer extensas pesquisas sobre a biologia das células-tronco e estudos pré-clínicos rigorosos antes de oferecer qualquer tipo de terapia aos pacientes.” ..."
----------

Caro Luiz Fernando, boa noite.

Como qualquer pesquisa realmente científica, séria, muitos fatores são levados em conta antes que os bons resultados apareçam, inclusive a frustração de desastres como este que aconteceu ao pobre menino.
Mas, eu acredito que não foi uma derrota para as células-tronco. Há outros exemplos em que elas funcionaram com muito sucesso, e a esperança de milhares de pessoas não pode ser apagada pelo infeliz acontecimento.
As pesquisas e experiências devem continuar.
Abraços.  (+ info)

Dicionário de Medos -Você tem medo de que?


não tenho nada pra perguntar,então segue abaixo um pequeno dicionário (VOCÊ TEM MEDO DO QUE).
Ele é bem pqno mesmo

Abissofobia – medo de abismos, precipícios.
Ablepsifobia – medo de ficar cego
Ablutofobia – medo de tomar banho.
Acarofobia – medo de ter a pele infestada por pequenos organismos (ácaros).
Acerofobia – medo a produtos ácidos.
Acluofobia – medo ou horror exagerado � escuridão.
Acrofobia – medo de altura.
Acusticofobia – medo relacionado aos ruídos de alta intensidade.
Aeroacrofobia – medo de lugar aberto e alto.
Aerodromofobia – medo de viagens aéreas.
Aerofobia – medo de ventos, engolir ar ou aspirar substâncias tóxicas.
Aeronausifobia – medo de vomitar (quando viaja de avião).
Afobia – medo da falta de fobias
Agliofobia – medo de sentir dor.
Afefobia – medo de ser tocado.
Agorafobia – medo de lugares abertos, de estar na multidão, lugares públicos (mercados, * shopping, supermercados) ou deixar lugar seguro.
Agrafobia – medo de abuso sexual.
Agrizoofobia – medo de animais selvagens.
Agirofobia – medo de ruas ou cruzamento de ruas.
Aicmofobia – medo de agulhas de injeção ou objetos pontudos.
Ailurofobia – medo de gatos.
Algofobia – medo de dor.
Altofobia – medo de alturas
Amatofobia – medo de poeiras
Amaxofobia – medo mórbido de se encontrar ou viajar dentro de qualquer veículo de transporte.
Ambulofobia – medo de andar
Amnesifobia – medo de perder a memória.
Ancraofobia ou Anemofobia – medo de correntes de ar
Androfobia – medo de homens
Analofobia – medo de buracos escuros
Anemofobia – medo de ventos
Anginofobia – medo de engasgar
Antropofobia – medo de pessoas ou da sociedade
Antlofobia – medo de enchentes
Anuptafobia – medo de ficar solteiro (a)
Apeirofobia – medo de infinito
Apifobia – medo de abelhas
Aracnefobia ou Aracnofobia – medo de aranhas
Aritmofobia – medo de números
Arrenfobia – medo de homens
Assimetrofobia – medo de coisas assimétricas
Astenofobia – medo de desmaiar ou ter fraqueza
Astrafobia ou astrapofobia – medo de trovões e relâmpagos
Ataxiofobia – medo de ataxia (descoordenação muscular)
Ataxofobia – medo de desleixo
Atazagorafobia – medo de ficar esquecido ou ignorado
Atelofobia – medo de imperfeições
Atefobia – medo de ruínas
Atomosofobia – medo de explosões atômicas
Atiquifobia – medo do fracasso
Aurofobia – medo de ouro
Autofobia Medo de ficar só ou sozinho
Automatonofobia medo de boneco do ventríloquo, criaturas animatrônicas, estátuas de cera (qualquer coisa que represente falsamente um ser sensível)
Automisofobia Medo de ficar sujo
Aviofobia ou aviatofobia – Medo de voar de avião
Azinofobia medo de apanhar do pai

Bacilofobia ou Bacteriofobia – medo de bactérias
Balistofobia – medo de mísseis
Basofobia ou basifobia – medo de andar ou cair (inabilidade de ficar em pé)
Batofobia – medo de profundidade
Botanofobia – medo de plantas
Batofobia – medo de alturas ou ficar fechado em edifícios altos
Batracnofobia – medo de anfíbios (como sapos, salamandras, rãs, etc.)
Belonofobia – medo de alfinetes e agulhas (aiquimofobia)
Blennofobia – medo de limo ou coisas viscosas
Brontofobia – medo de trovões e relâmpagos
Biofobia – medo da vida

Cacorrafiofobia – medo de fracasso ou falhar
Caetofobia – medo de pêlos
Cainofobia ou cainotofobia – medo de novidades
Catagelofobia – medo do ridículo (estar ou ser)
Catapedafobia – medo de saltar de lugares baixos ou altos
Catoptrofobia – medo de espelhos
Cenofobia ou centofobia – medo que caracteriza-se pela aversão e medo mórbido de sentir inquietação de grandes espaços abertos.
Cimofobia – medo de ondas ou de movimentos parecidos com ondas
Cinetofobia ou cinesofobia – medo de movimento
Cinofobia – medo de cães
Cipridofobia, ciprifobia, ciprianofobia, ou ciprinofobia – medo de prostitutas ou doença venéreas
Ceraunofobia – medo de trovão
Copofobia – medo da fadiga
Corofobia – medo de dançar
Coniofobia – medo de poeira (amatofobia)
Cosmicofobia – medo de fenômenos cósmicos
Crometofobia ou crematofobia – medo de dinheiro
Cromofobia ou cromatofobia – medo de cores
Cronofobia – medo do tempo
Cronomentrofobia – medo de relógios
Claustrofobia – medo de espaços confinados
Cleitrofobia ou cleisiofobia – medo de ficar trancado em lugares fechados
Cleptofobia – medo de ser roubado
Climacofobia – medo de degraus (subir ou cair de degraus)
Clinofobia – medo de ir para cama
Clitrofobia ou cleitrofobia – medo de ficar fechado
Cnidofobia – medo de cordas
Cometofobia – medo de cometas
Coimetrofobia – medo de cemitérios
Contreltofobia – medo de abuso sexual
Coprofobia – medo de fezes
Coulrofobia – medo de palhaços
Cremnofobia – medo de precipícios
Cretinofobia – medo de nunca mais acessar o www.perguntascretinas.com.br
Criofobia – medo de frio intenso, gelo ou congelamento

Deipnofobia – medo de jantar e conversas do jantar
Demonofobia ou demonofobia – medo de demônios
Demofobia – medo de multidão (Agorafobia)
Dendrofobia – medo de árvores
Der
----------

Acluofobia – medo ou horror exagerado � escuridão.  (+ info)

Quer SABER de uma BOA notícia para quem PRECISA?


RECEBI ESSE E-MAIL. ACHO IMPORTANTE DIVULGAR.

Amigos já recebi esse email outras vezes e resolvi procurar o atendimento para minha mãe que sofre de Azheimer. Procurei informações e por telefone, respondi um questionário, com várias questões, foram quase 60 minutos, fui atendida muitissimo bem e depois me solicitaram que mandasse, através de fax seus ultimos exames e laudos medicos, esse material seria analisado e depois disso seriamos avisados da aceitação ou não no Hospital, de minha mãe, isso foi na semana passada e aguardo ansiosamente o resultado. O Hospital Sarah tem a fama de ser um excelente hospital ,então se há algum parente ou amigo com problemas consulte, vou deixar o site , que é nacional, para maiores informações:


www.sarah.br

Um agradecimento especial aos meus queridos amigos, Josi, Claudio e Martha, que pelo repasse desse email poderão ajudar a minha mãe a ficar um pouco melhor, fiquem com Deus!!!

beijos meus amigos

Boas Novas! Repassem!

: Pelo que tudo indica, esse Hospital vai ser de grande utilidade.


DIVULGUEM!!!!

O HOSPITAL SARAH RIO, especializado em neuroreabilitação, inaugurado na Barra da Tijuca já está cadastrando para atendimento, novos pacientes adultos e crianças com as seguintes patologias:

- paralisia cerebral
- crianças com atraso do desenvolvimento motor
- sequela de traumatismo craniano
- sequela de AVC
- sequelas de hipóxia cerebral
- malformação cerebral
- sequela de traumatismo medular
- doenças medulares não traumáticas como mielites e mielopatias
- doenças neuromusculares como miopatias, neuropatias perifericas hereditarias e adquiridas, amiotrofia
espinhal
- doença de Parkinson e Parkinsonismo
- Ataxias
- doença de Alzeihmer e demências em estágio inicial
- Esclerose múltipla
- Esclerose lateral amiotrófica em estágio inicial
- mielomeningocele
- espinha bífida
- paralisia facial
O atendimento é totalmente gratuito.
O cadastro para atendimento de novos pacientes é feito exclusivamente pelo telefone: 21 3543-7600 , das 08 às 17horas
----------

Obrigada meu amigo por estar divulgando tambem a Ju Estrela tambem fez o mesmo, se todos puderem copiar e mandar para seus amigos começa uma corrente que pode aliviar e salvar a vida de muita gente. Que Deus te abençoe querido.

Um grande beijo  (+ info)

overdose de rivotril me ajudem!?


ontem eu tomei uma dose alta de rivotril! quase morri na hora, mas hoje to sentindo os efeitos colaterais que estão descritos na bula!! estou com dor de cabeça, mas olhos estão vermelho, estou com vertigem, e com ataxia!! o que eu faço pra fazer isso ir embora eu não aguento mais essa sensação me ajudem!!
----------

Procure pelo seu médico e avalie também porque fez isso. boa sorte./  (+ info)

O que significa uma velocidade de hemossedientação de 34?


Estou fazendo exames para confirmar/descartar a Esclerose múltipla. O único sintoma que tenho é ataxia. Junto com esse resultado de hemossedimentação e com Fan reagente no núcleo e no título, será que fornecem mais indícios da doença?
----------

jujuba , que eu saiba , o VHS nao faz parte do diagnostico de esclerose multipla

Na verdade ,o VHS é um marcador de inflamacao sistemica , como o PCR, extremamente inespecifico - ou seja , ele aumente em diversas condicoes ( ate numa infeccao de garganta , por exemplo)

Ainda mais no seu caso , ,em que o aumento é discreto

Talvez seu medico tenha solicitado o VHS pensando em afastar uma vasculite atingindo o SNC , ou outra doenca reumatologica

O FAN , apesar de comumente se relacionar a lupus , tambem é muito inespecifico , diversas outras causas podedriam positivar FAN

Que eu saiba , o diagnostico de Esclerose multipla é dado por quadro clinico e RNM... Nao me lembro de nenhum exame de laboratorio que auxilie.  (+ info)

alguém conhece algum ?


alguem conhece alguemsite que me possa dar informações ou algum tratamento alternativo para ataxia?
----------

Amiga, nesse site você encontrará muita informação sobre o assunto.
http://br.geocities.com/ataxianet/
Espero ter ajudado.  (+ info)

1  2  3  

Deixa uma mensagem sobre 'ataxia de friedreich'


Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.