FAQ - transtornos de estresse pós-traumáticos
(Powered by Yahoo! Answers)

Qual o melhor antidepressivo indicado para o caso de um estresse pós traumático?


Estou fazendo tratamento psiquiátrico há um ano com medicamentos antidepressivos. A medicação já foi trocada 4 vezes, sem resposta satisfatória. Estou ficando pior e com um quadro de insônia grave. Haveria um medicamento indicado para o caso de uma situação de estrsse pós traumático, antecedido por transtorno de ansiedade generalizada?
----------

JLS tem razão.
Psicoterapia pode contribuir muito para o tratamento da ansiedade.
O tratamento medicamentoso, quando acertado, será eficiente para inibir os sintomas mas, nenhum medicamento é capaz de "apagar" ou "deletar" um trauma, uma memória ou uma vivência.
Por isto é indicado a Psicoterapia, em especial a Cognitivo Comportamental pois, este trabalho não irá inibir os sintomas ou tentar camuflar o trauma, mas, ensinar novas maneiras de lidar com o evento traumático e com a memória dele SEM precisar gerar demasiada ansiedade, ou seja, mudando a cognição (forma de compreender) o próprio trauma...

Outras terapias também podem ser eficientes para este trabalho: Gestalt Terapia, Terapia Comportamental, Terapia centrada na pessoa,etc.

Procure se informar sobre estas possibilidade, ok?

Espero ter contribuído  (+ info)

A violência doméstica pode desencadear na criança o Transtorno do Estresse Pós Traumático?


A violência e a agressão de seus pais podem ser interpretados pela criança como uma ameaça a sua vida, à sua integridade física e então a criança poderá desenvolver o Transtorno de Estresse Pós-Traumático ?

Desenvolvendo um comportamento de evitação semelhante a agorafobia , e também dissociação e amnésia psicogênica, sintomas de evitação/insensibilidade pois cortam da experiência consciente as lembranças e sentimentos baseados no trauma ?

Essas crianças podem não conseguir tolerar emoções fortes, separam os aspectos cognitivos dos emocionais na experiência psicológica e percebem somente os primeiros ?

Tal "insensibilidade psíquica" seria uma anestesia emocional que torna extremamente difícil para essas crianças participarem de relações interpessoais significativas ?


SE NÃO FOR TRATADO NA INFÂNCIA PODE PERMANECER COM ESSE TRANSTORNO QUANDO ADULTO ?
----------

LUA,

Essa é uma situação muito dolorosa, angustiante, triste. Eu fico "enojado" só de pensar nessa covardia. O pior é que as vezes a vitima está tão fragilizada e dependente do outro que não consegue nem sequer denunciar a situção ou pedir ajuda.

Com certeza. Eu diria que o Transtorno do Estresse Pós Traumatico ( TEPT) é uma das consequencias mais "leves" da violencia domestica. Muitas pessoas ( não só as crianças) podem desenvolver em conjunto com o TEPT,a Depressão por muitas vezes em grau grave, Paranoia temporaria ( enquanto durar a violencia) de que é perseguido, Transtorno de Panico, Transtorno Bordeline e Transtornos Somatoformes. Esse sintomas podem estar presentes em todos os tipos de violencia, mas aparecem de forma mais pronunciada em violencia predominantemente do tipo emocional.

Como voce disse a dissociação, sintomas evitativos, desconfiança de tudo e de todos, isolamento social, medo, insegurança, frieza emocional, pesadelos, pertubações do sono, regressão a comportamentos infantis tais como choro excessivo, enurese,
chupar os dedos, insensibilidade emocional, instabilidade, irritabilidade e problemas funcionais de origem psicogenica (dores , falta de ar, tontura, atenção dimunuida, dores abdominais, febre,, tremores, ansia de vomito, e outros) podem ser sintomas que se não tratados podem se cronificar na vida adulta.

A criança vitima de violencia não consegue levar uma vida normal se não for tratada. Ela sempre vai apresentar em suas memorias flesh intruzos das cenas de violencia ou das palavras que sofreu/ ouviu. O que mais causa sofrimento na criança é não saber o por que de todas as agressões que sofreu( e na realidade não tem explicação). O que não foi dito( mas foi subentendido) causa marcas dolorosas na emoções da criança.

E importante denunciar os casos de violencia ao conselho tutelar ou nas delegcias da criança e do adolescentes.

Pode ser que com o tratamento - principalmente psicoterapia - algumas marcas psicologicas fiquem adormecidas e não atrapalhem a vida dessa criança quando for adulto, mas pode também acontecer de que fiquem residuos desses sintomas na vida adulta.

Estou de luto em consideração a todas as crianças que padecem com a covardia da violencia.  (+ info)

Tenho estresse pós traumático,depois de ter sido ameaçada por um aluno(leciono em duas escolas públicas).?


Estou licenciada há 60 dias,em uso de fluoxetina 40mg e rivotril.Não tenho condições de enfrentar uma sala de aula.Diante desse quadro,tenho direito ao ajustamento funcional?Como devo proceder?Obrigada.
----------

  (+ info)

Olá. tive um estresse pós-traumatico e estou tomando 1/4 de rivotril de 2mg a noite.Como me livro dele??


PS. GOSTARIA DE OPNIÃO DE PROFISSIONAL DA AREA E DE PESSOAS QUE ESTÃO OU PASSARAM PELA MESMA SITUAÇÃO. E EM QNT TEMPO LEVA PARA DESINTOXICAÇÃO DO REMÉDIO POIS GOSTO DE TOMAR UMA CERVEJINHA....E QND TENTEI TOMAR ME SENTI MUITO MAU....OBRIGADO!!!!
----------

Amigo, você já está tomando uma dosagem bastante pequena e provavelmente a dependência é apenas psicológica. Peça que seu médico lhe receite o de 0,5mg e divida-o ao meio. Nesse caso estará tomando 0,25 mg. Depois de uma semana, divida-o em 4. Depois de uma semana, passe a tomar 1/4 dia sim, dia não, depois uma vez a cada dois dias... e assim sucessivamente até retirá-lo completamente. Boa sorte.  (+ info)

Estresse pós traumático. Como superar?


Estou sofrendo de estresse pós traumático há quase dois anos. Não consigo superar o episódio traumático. Fico revivendo o problema e tenho crises de ansiedade, depressão, não durmo nada. A sensação de desamparo é enorme, sinto que perdi o controle da minha vida. Não tenho perspectivas de futuro. Você já conseguiu superar algo assim tão devastador?
----------

Sim, é possível superar desde que vc busque um auxílio profissional. Sou psicóloga, se desejar maiores informações pode enviar um e-mail para [email protected] ou visite o site www.psicologar.com.br

Um grande abraço  (+ info)

Estresse pós-traumático:em que consiste este quadro clínico?


Em funçao dele podem-se desencadear outros transtornos mentais? Quais?
----------

O que é?
O transtorno de estresse pós-traumático pode ser entendido como a perturbação psíquica decorrente e relacionada a um evento fortemente ameaçador ao próprio paciente ou sendo este apenas testemunha da tragédia. O transtorno consiste num tipo de recordação que é melhor definido como revivescência pois é muito mais forte que uma simples recordação. Na revivescência além de recordar as imagens o paciente sente como se estivesse vivendo novamente a tragédia com todo o sofrimento que ela causou originalmente. O transtorno então é a recorrência do sofrimento original de um trauma, que além do próprio sofrimento é desencadeante também de alterações neurofisiológicas e mentais.

Diagnóstico
O primeiro aspecto a ser definido é a existência de um evento traumatizante. Aquele suficientemente marcante, não há dúvidas quanto a ser ameaçador à vida ou à integridade individual, como os sequestros, assaltos violentos, estupros. Há, contudo certos eventos que podem não ser considerados graves como um acidente de carro sem vítimas. Mesmo assim caso uma pessoa venha a apresentar o quadro de estresse pós-traumático perante uma situação que poderia não ser considerada forte o suficiente para causar danos à maioria das pessoas, pode causar danos para outras. Com certeza, um evento marcante, fora da rotina, que de alguma forma represente uma ameaça, tem que ter acontecido: sem isso não será possível fazer o diagnóstico, pois a definição dele envolve o evento externo. Os sintomas têm que estar diretamente relacionados ao evento estressante, as imagens, as recordações e as revivescência têm que ser a respeito do ocorrido e não sobre outros fatos quaisquer ainda que ameaçadores.
Para o diagnóstico é essencial que a pessoa tenha experimentado ou testemunhado um evento traumatizante ou gravemente ameaçador. Quando esse evento ocorre é necessário também que a pessoa tenha apresentado uma resposta marcante de medo, desesperança ou horror imediatamente após o evento traumático. Depois isso o indivíduo deve passar a ter recordações vivas, intrusivas (involuntárias e abruptas) do evento, incluindo a recordação do que pensou, sentiu ou percebeu enquanto vivia o evento traumático. Podem ocorrer pesadelos baseados no tema. Sentir como se o evento fosse acontecer de novo, chegando a comportar-se como se estivesse de fato vivendo de novo o evento traumático. Nesses eventos é possível que o paciente tenha flashbacks ou alucinações com as imagens do evento traumático. As situações que lembram o evento causam intenso sofrimento e são evitadas. Ter de expor-se novamente ao local pode ser insuportável para o paciente. Por isso o paciente passa a evitar os assuntos que lembrem o evento, como também as conversas, pessoas, objetos e sensações, tudo que se relacione ao trauma. A recordação dos aspectos essenciais do trauma pode também ser apagada da memória. A pessoa pode afastar-se do convívio social e outras atividades mesmo que não relacionadas ao evento. Pode passar a sentir-se diferente das outras pessoas. Pode passar a ter dificuldade de sentir determinadas emoções, como se houvesse um embotamento geral dos afetos. Pode passar a encarar as coisas com uma perspectiva de futuro mais restrita, passando a viver como se fosse morrer dentro de poucos anos, sem que exista nenhum motivo para isso.
Outros sintomas podem ser também insônia, irritabilidade, dificuldade de concentração, respostas exageradas a estímulos normais ou banais.
Para se fazer o diagnóstico é preciso que esses sintomas estejam presentes por no mínimo um mês. Caso o tempo seja inferior a isso não significa que a pessoa não teve nada, só não se pode dar esse diagnóstico.
Certos sintomas não compõem o diagnóstico, mas podem ser encontrados nos paciente com estresse pós-traumático como dor de cabeça, problemas gastrintestinais, problemas imunológicos, tonteiras, dores no peito, desconfortos.

Considerações
O transtorno de estresse pós-traumático é provavelmente um transtorno muito comum, porém pouco conhecido, como nas décadas passadas foram desconhecidos porém freqüentes os transtornos de pânico, fobia social, obsessivo compulsivo. O estresse pós-traumático se diferencia dos demais transtornos de ansiedade e da maioria dos transtornos mentais por ser causado a partir de um fator externo. O aparato mental do homem é capaz de lidar com situações estressantes sem que isso deixe cicatrizes, da mesma forma que os vasos sanguíneos são capazes de suportar elevações da pressão arterial durante o exercício físico normalmente. Há, contudo limites a partir dos quais o funcionamento mental fica perturbado. Provavelmente isso ocorre quando os mecanismos de enfrentamento e suporte contra estresse são fracos ou quando os estímulos são fortes demais.
Quando surgirá o transtorno não podemos saber, o fato de uma pessoa ter passado por um trauma não significa necessariamente que ela terá estresse pós-traumático. Observa-se que num mesmo evento, algumas pessoas podem apresentar esse tran  (+ info)

Maconha ajuda ratos a superar trauma. Ela pode ser usada para prevenir ou até curar o estresse pós-traumático.


O que você acha disso???

31/08/2006
Um estudo brasileiro pode engrossar a lista de aplicações terapêuticas do THC, o princípio ativo da maconha. A substância já é usada em medicamentos contra dores resultantes da esclerose múltipla e para conter enjôos durante a quimioterapia. Agora, uma pesquisa da UFSC mostra que ela pode ser usada para prevenir ou até curar o estresse pós-traumático.

http://www.cienciahoje.org.br/56340
----------

PUTS VÉIO, NEM FALA SENÃO VAI TER GENTE QUERENDO SE QUEBRAR TODA HORA SÓ PRA FICA "DENTRO DA LEI".

BLZ???

TEM MAIS COISAS PRA SE USAR NESTES CASOS.  (+ info)

Até quanto pode variar a pressão arterial em circunstâncias de estresse?


Sabe-se que a pressão arterial pode variar em circunstâncias de estresse. Porém, até quanto esta variação é normal? A partir de que resultado começa a denotar irregularidade? Eis que, monitorando a pressão em circunstâncias de estresse profissional, esta chegou a alcançar 15x9. Este seria o indicativo de início de hipertensão? Ou esta variação é normal em meio às circunstâncias adversas?
----------

Embora a pressão arterial 120X80 mmhg seja considerada normal, existem outros fatores como pre disposição à hipertensão ou hipotensão, que seriam a pressão alta e baixa.
Quanto a sua pergunta, dependerá muito do organismo de cada pessoa, pois existem pessoas nas qual a pressão 15X9 é absolutamente normal e existem aquelas que 14X8 já passam mal.
O ideal seria que cada um fizesse seu grafico, ou seja, verificasse a sua pressão arterial com uma certa frequecia para saber qual seria o "seu normal".
Por exemplo: o meu normal é 11x7mmHg, o que para muitos é considerada baixa.  (+ info)

Quanto tempo duram sintomas surgidos a partir de uma situaçao de estresse, como um assalto?


Fui assaltada dia 9 de agosto e depois disso tive um atraso menstrual de 15 dias, que nunca tive antes. Quando a menstruação apareceu, comecei a tomar Diane 35 (que tomei por muitos anos e só tinha parado por causa de enxaquecas terríveis) (sou casada e tenho dois filhos). Ontem foi o último comprimido e devo menstruar nos próximos dias, mas estou me sentindo muito mal desde que comecei a tomar o Diane. Minha pressao arterial tem baixado demais, fico muito tonta, com uma espécie de pressao nos ouvidos, tenho rapidas tonturas a qualquer hora do dia e muito mal estar no estomago, sobretudo logo depois de comer. A pressao é medida no hospital e sempre está 8, 9 por 6. A pergunta é: alguém sabe, já ouviu falar em sintomas como esse no caso de um estresse pós-traumático ou isso pode ser algum outro problema de saúde relacionado com o Diane? Nunca ouvi falar em pressao baixa quando se toma anticoncepcional, mas isso só acontece comigo quando tomo. Quando nao tomo, nao sinto nada disso. O que pode ser isso? Por favor, alguém verdadeiramente interessado em ajudar poderia responder? Desde já, muito obrigada!
----------

Olá,
Mami
Acho que seus sintomas nada tem a ver com o trauma do assalto.
Minha mã está com os mesmos sintomas que você( Ela tem 56 anos)
Não sofreu nenhum trauma por agora. mas sempre depois que come , ela tem essas tonturas, tipo pressão baixa.
Sabe o que o médico disse?
Que ela tem labirintite, desde então ela toma Labirin 25mg, depois que acorda, pra ficar bem o dia todo.
Aqui onde moro, tem muitas mulheres se queixando de tal sintoma e também muita falta de ar.
Então a Dra. resolveu realizar exames de Tireóide em todas.
70% das mulheres estão desenvolvendo disturbio da tireoide, peça exames ao seu médico.
Pergunte sobre a pressão baixa (que pode ser labirintite)
ok?  (+ info)

Estou com estresse pós-trauma?


Hoje a tarde eu estava com minha irmã quando ela foi atropelada e eu me livrei do acidente por segundos, mas ela esta super bem agora. Estou me sentindo meio mal, com dores no corpo, dores de cabeça e um indicio de febre.. isso pode ser do estresse ocorrido hoje a tarde?
----------

Com certeza. Consulte um médico clínico se a febre não baixar e ingira bastante líquido. O importante é que, apesar do susto, vcs duas estão vivas e bem. Aos poucos, vc vai melhorar.  (+ info)

1  2  3  4  5  


Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.